Por trás do videoclipe

Edson Gandolfi é o nome do momento no que diz respeito a videoclipe no Rio Grande do Sul. É sócio-proprietário da Musicollege Produtora, que figura como uma das maiores do segmento no RS. Hoje ele trabalha com todo tipo de artista, indo do Funk Ostentação ao Heavy Metal, vejamos o que se passa na cabeça do publicitário por formação e diretor e roteirista por vocação.

Foto: Edu Defferrari.

“Sempre entendi que o videoclipe é um belo exercício de linguagem, em que a gente pode testar todo tipo de coisas. Portanto, achei que seria um belo aprendizado e um espaço para eu fazer meu nome no audiovisual. Porém, hoje se tornou o estilo pelo qual eu mais gosto de trabalhar, foquei quase todas minhas forças criativas para o mercado da musical, desde shows, DVD’s e videoclipes. Acabei me ‘viciando’ nesse mundo e hoje eu não quero deixar nunca de trabalhar nele. Mesmo com minhas principais influências vindo do cinema, a música sempre esteve presente na minha vida, meu primeiro emprego foi como Roadie de uma banda de pagode aos 13 anos, desde então eu nunca mais larguei esse universo”.

Fale um pouco da sua carreira:

“Então, o meu irmão, Rodrigo Gandolfi (ele é músico), e eu cansamos de ser empregados dos outros e vimos uma falha de mercado, em 2009, na falta de profissionais especialistas em vídeos musicais, daí a gente resolveu abrir a Musicollege Produtora. O resto é história, hoje já fizemos mais de 50 videoclipes, 5 DVD’s e centenas de shows. Tendo no nosso currículo artistas como Chimarruts, Papas da Língua, Reação em Cadeia, Cidadão Quem, Bruninho e Davi, Grupo do Bola e outras diversas bandas e estilos”.

Projetos futuros:

“Atualmente estou trabalhando em dois roteiros de curta-metragem e pretendo produzir pelo menos um esse ano ainda, o outro é um projeto muito maior e megalomaníaco. Seguimos com a evolução da Musicollege Produtora, buscando crescer cada mais, o objetivo de 2014 é ultrapassar as fronteiras do Rio Grande do Sul com o nosso trabalho, mas nunca deixando de lado os nossos clientes gaúchos”.

Conselhos para aqueles que estão começando:

“Referências, essa é a palavra de ordem no mundo da música e do audiovisual. Nunca deixem de consumir clipes, filmes, DVD’s ou qualquer material de vídeo, mesmo estando longe do que a gente gosta. E por falar nisso, nada de preconceito, todo tipo de estilo é válido, não existe cultura melhor ou pior, mas sim diferente. Pensem fora da caixa, não busquem só no samba referências para um clipe de samba, busque em outros lugares, pense de uma maneira que ninguém imaginava, seja o diferencial do seu trabalho. Nunca deixe de estudar, hoje qualquer um compra uma câmera”.