Skip to main content

Nova técnica reiventa a forma de fazer filmes.

Andy Serkis, em Planeta dos Macacos - A Origem (Foto: divulgação)

Atuação ou efeito digital, esse é o grande questionamento dos fissurados por filmes em relação ao Oscar. Imagine os super-heróis que fizeram parte da sua infância ganhando vida nas telas do cinema em forma de animação 3D e mantendo suas características originais, como expressões faciais e movimentos corporais iguais às HQs. Tudo isso graças a alguns pontinhos distribuídos pelo corpo do ator. Essa técnica é chamada de captura de movimento e tem ganhado cada vez mais espaço entre os blockbusters do cinema mundial.

A evolução da digitalização no cinema começa no século passado, final da década de 20, com A criação dos Estúdios Disney, considerado um marco por mudar todo o cenário dos curtas animados até então. Walt Disney trouxe uma forma de abordar a animação completamente diferente do que existia, seja pelo movimento dos personagens ou pelo sistema de produção de seus desenhos. Muitos filmes depois, a técnica foi aperfeiçoada e a animação “quadro a quadro” já não garantia tanta eficácia em meio ao turbilhão de tecnologias para produção de filmes. Essas novas técnicas tomaram as rédeas da reprodução nas telas e, hoje, a captura de movimento traz um novo sentido à forma como os personagens ganham vida.

A Captura de Movimento, ou “mocap”, técnica que mapeia e reproduz deslocamentos em objetos ou seres humanos, transformando-os em gráficos 3D, é o recurso tecnológico que converte o movimento ao vivo em movimento digital, e que facilita a busca por maior realismo e características específicas aos personagens nas animações. Filmes como Planeta dos Macacos – a origem, Senhor dos Anéis, As Aventuras de Tintim e o Kinect (aparelho de captura para videogames) possibilitam ao usuário maior proximidade com essa “expressão humana” retratada digitalmente. Para os leigos, curiosos sobre o assunto, é fácil sintetizar esse processo: colocam-se sensores pelo corpo do ator para captar e filmar os movimentos, que servem como um escaneamento das ações realizadas, que são automaticamente desenhados como se fosse um “homem de arame”, posteriormente modelado em programas de edição.

Em entrevista com o professor, doutor e chefe geek de Porto Alegre, André Pase, esclarecemos como funciona e quais benefícios ela traz para o cenário cinematográfico atual.

Como funciona?

Você coloca uma pessoa em um cenário, num fundo plano, com sensores em pontos estratégicos do corpo. Esses sensores registram os movimentos através de um escaneamento corporal, registrando cada movimento do ator, fazendo com que o personagem ganhe vida.

Qual foi a grande “Quebra  de paradigma” do mocap?

Os movimentos ficaram mais complexos, você não pode mais dizer “o Smeagol não é real” porque hoje os atores fazem esses personagens ganharem vida. O rosto, os braços, os movimentos, a base está ali. Essa é a grande quebra de paradigma, tornar o digital em algo real, que convence.

Pode ser considerada como atuação ?

Você sente a atuação, o ator está representado nas expressões do personagem. No caso do Ceasar no Planeta dos Macacos, é possível enxergar essas emoções. Quem assiste, vibra com cada cena do personagem sem que ele precise falar, mas isso varia de ator para ator, é relativo. Tem uma atuação, não é só movimento, é vida. Se você é um ator, você tem que falar, interagir. Uma criação digital não vai ter vida se o ator não colocar vida. Movimento você faz, mas a emoção, a expressão, só o ator pode colocar.

Além do cinema e dos games, onde o mocap pode ser utilizado?

Em simulações, principalmente. Hoje podemos fazer simulações de desastres naturais pensando em uma prevenção no futuro. Além disso, podemos testar produtos como tênis, simular como uma pessoa consegue manusear determinado objeto e modificá-lo de acordo com o nosso desejo, projetar impactos com carros. Enfim, a captação pode ser utilizada em muitas coisas.

No Esporte

Nos esportes como corrida e futebol, por exemplo, pode-se saber quantos quilômetros o jogador/corredor correu, como ele se movimentou em campo, a velocidade que o jogador/corredor atingiu, tudo isso por causa da captura de movimentos. Podemos encontrar a captura de movimento tanto no esporte de ponta, quanto fora disso, no cotidiano. Uma pessoa que use um tênis que, com um sensor na perna, consiga saber o quanto caminhou, também pode ser considerado captura.


Um comentário em “Captura de movimento

Comentários fechados.