Mercado de trabalho » Planeta Atlândida

A experiência de um evento grandioso

Os bastidores do maior festival de música do RS

Muito fala-se sobre o mercado de eventos e o impacto na vida das pessoas, seja ele positivo ou negativo. Todos já vivenciamos um evento, aqui no Rio Grande do Sul, um mais esperados é o Planeta Atlântida, que é o maior festival de música do sul do país e acontece desde 1996 na praia de Atlântida.

O destaque do festival é o público jovem, e o número de participantes em média é de 80 mil pessoas. Agora sabendo de tudo isso, você já imaginou como é estar por trás dos bastidores? Participando da organização? Foi isso que Matheus Astarita, formado em RP pela UFRGS e atualmente produtor de eventos na VYP eventos, conta para a gente.

A história do Matheus com eventos iniciou cedo, já na escola, com participações em atividades realizadas pela turma e pelo colégio. O interesse nesse ramo foi crescendo e as oportunidades surgindo. O RP nos conta um pouco sobre sua trajetória antes de participar do planeta: “Eu fiz muitos eventos informalmente, então talvez eu não tenha na memória de quando tenha sido meu primeiro evento, acho que o primeiro que eu fiz aberto ao público, que tinha função de ingresso, foi o show de um cantor israelense no teatro da AMRIGS, chamado David Broza. Eu ajudei na produção, foi bem bacana.”

Quando estava cursando Relações Públicas, houve a oportunidade de trabalhar como assistente no Planeta Atlântida. Essa participação durou cinco anos (2014-2018), com início de forma retraída, com crescimento e conhecimento ao decorrer dos anos.

Foto: arquivo pessoal.

No seu segundo ano, teve participação mais ativa, sugeriu mudanças, participou de reuniões e conseguiu se consolidar junto à equipe. “Nos primeiros três anos eu fui só assistente de operações, no ano de 2017, que era meu quarto ano, minha função começou a se expandir, virei assistente da coordenação, essa função começava no primeiro dia da montagem e ia até o último de desmontagem, são aproximadamente 35 dias”.

Matheus explica que a melhor parte dessa experiência foi vivenciar um pouco de cada “coisa”, pode entender cada setor envolvido no evento, aprender como funciona cada parte do planeta, desde o planejamento, organização, check list, cobertura até o fechamento com o relatório.