Skip to main content

Os candidatos da lista de espera do ProUni (Programa Universidade para Todos) deverão atestar até terça-feira, 14 de março, os documentos exigidos pelo programa para concorrer a uma bolsa de estudo em instituições privadas.

Entre os documentos necessários estão: comprovante de rendimentos do candidato, certidão negativa ou positiva do INSS, declaração de imposto de renda de pessoa física (IRPF) dos dois anos anteriores (2015, 2016), comprovante de separação ou divórcio dos pais ou certidão de óbito, certidão de registro de veículo que custa R$ 9,00 reais a taxa por cada integrante do grupo familiar de 1° grau. Este último documento só poderá ser retirado diretamente nos CRVAs ( Centro de Registros de Veículos automotores – DETRAN-RS), os demais estão disponíveis para consulta no site do ProUni. Cabe lembrar que, além de entregar a documentação, é necessário ratificar a documentação de seus familiares e ter uma cópia de cada documento.

O programa é destinado para pessoas de baixa renda que não cursaram ensino médio em escolas privadas, não possuem um diploma de ensino superior e que tenham renda mensal  per capita de até um salário mínimo (R$ 1.320,00)  para bolsa integral ou até três salários mínimos para bolsa parcial (R$ 2.640,00). O  processo seletivo do ProUni não leva em consideração o tipo de escola onde o candidato fez o ensino fundamental (1º ao 9º ano). Além disso, professores do magistério da rede pública e pessoas que possuem algum tipo de deficiência também podem concorrer a vagas.

Entre os requisitos para concorrer à bolsa de estudo, os alunos que prestaram o exame do Enem ( Exame nacional do Ensino Médio) deverão atingir no mínimo 450 pontos em cada competência e não podem ter zerado a redação.

Neste ano foram disponibilizadas 214.110 bolsas de estudos. Deste total, 103.719 são integrais e 110.391 parciais (50% de desconto). É o maior número de benefícios concedidos desde a criação do programa, em 2004.

As informações são do jornal Folha de S. Paulo.